economicamente viável

evEconomicamente viável: uma contradição em termos?
Que tal pensar em economia sem explorar os outros, sem querer levar vantagem, sem destruir o ambiente? Que tal cooperar, fortalecer o grupo, pensar no bem de todos e fazer o bem à comunidade e ao meio ambiente? É isso que é a economia viável. E ela a resposta direta à exploração de mão de obra, degeneração de saberes locais e destruição do planeta que o sistema econômico que se faz presente provoca.
E sabe de uma coisa, você pode fazer a sua parte compreendendo o que é o consumo solidário, o comércio justo e todas as demais práticas economicamente viáveis.
Estas práticas apresentam-se como alternativas inovadoras de geração de trabalho e renda e uma resposta a favor da inclusão social. Cooperativas, associações, clubes de troca, empresas autogestionárias, redes de cooperação, entre outras, que realizam atividades de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário.
As bases no círculo produtivo são: cooperação, autogestão, dimensão econômica e solidariedade. Mas podemos pensar em práticas que já saem do papel!
Agricultura familiar – Sem agrotóxicos, baseada em pequenas propriedades com várias culturas. Muitas vezes relacionam-se com a geração de renda local e fazem chegar aquela fruta diferente na sua mesa, já que os supermercados compram de grandes fazendas que não diversificam suas culturas visando a tal “produtividade”.
Empresas geridas pelos próprios trabalhadores: várias fábricas à beira da falência estão sendo tocadas pra frente pelos próprios trabalhadores cooperativados. Isso mesmo, ao invés de pensar em patrão-empregado, por que não pensar em um ambiente onde todos são donos dos meios de produção?
Economia local / saberes locais: você conhece o que se produz no seu bairro? Na sua cidade? No seu estado? Aposto que deve ter costureiras fantásticas, lanchonetes, bazares, restaurantes, espaços de produção cultural e muitas outras atividades aí pertinho da sua casa! Basta conhecer, e mais, divulgar e buscar a melhoria destes espaços. Esses saberes locais e o circuito produtivo que é possível ser mobilizado com a simples prática de consumir o que está mais perto faz um bem sem tamanhos para a economia! Diminui o translado de trabalhadores para centros urbanos, reduz os gastos com transporte, faz a cultura local se fortalecer!
Feiras que criam redes e cadeias de economia solidária: já ouviu falar de feiras orgânicas? E feiras de trocas? Há muitos sites que sustentam redes de consumo consciente que valorizam a economia viável.
Consumo consciente: que tal dar uma olhada no rótulo e saber a procedência dos produtos que consome? Será que o simples ato de boicotar não pode fazer a diferença? Claro que pode! Até porque você vai buscar o consumo de produtos economicamente viáveis, ou seja é um círculo virtuoso!
E então, vamos mudar as nossas atitudes?


Crie sua personagem e conte sua história.

Marilia Viana e o dia de feira


Referências: