Colectar, Conectar, Compartilhar.

O trabalho criativo pode ser entendido, grosso modo, em três etapas:

Coletar: apreender textos escritos, em prosa ou poesia, imagens, estáticas ou dinâmicas, emoções, boas ou ruins, conhecer histórias, reais ou fictícias. Esse esforço pode ser organizado, como a coleta de dados numa pesquisa, ou simplesmente vivido.

Conectar: aqui o que foi coletado pode ser combinado e recombinado de diferentes maneiras – da mesma forma que duas pessoas diferentes podem olhar para as mesmas estrelas no céu e criar diferentes constelações. As conexões podem ser espontâneas ou críticas,  com ou sem objetivo.

Compartilhar: chega o momento em que se deseja ou precisa, ou ambos, mostrar o que se criou. Pode-se compartilhar só a obra, o percurso para criá-la, e, numa via de mão dupla, sua recepção, os efeitos que ela causou.

Este blog é meu espaço para compartilhar o que conectei a partir do que coletei. Ou será kompartilhar o que konectei a partir do que kolectei? De uma forma ou de outra, sejam bem-vindas e bem-vindos.

(…) two people gazing at the night sky may both be looking at the same collection of stars, but one will see the image of a plough, and the other will make out a dipper. The ‘stars’ in a literary text are fixed; the lines that join them are variable.”” Wolfgang Iser

Figures in the sky