Catálogo

Painel coletivo de inauguração do Teatro Paschoal Carlos Magno, Juiz de Fora, MG, fev 2018.

Artistas:

1 – MAURO ALVIM
2 – HELOISA CURZIO
3 – BRUNO MENEGHITTI
4 – CADU MARQUES
5 – PAULO DUTRA
6 – PAULA DUARTE
7 – LÚCIO RODRIGUES
8 – KNORR
9 – AMAURY BATTISTI
10 – ALBERTO PINTO E VALÉRIA MAGALHÃES
11 – MÁRCIA VALLE
12 – HUMBERTO NICOLINE
13 – SEMEA KEMIL
14 – FERNANDA CRUZICK
15 – FABRÍCIO CARVALHO
16 – RAMON BRANDÃO
17 – SÉRGIO NEUMANN
18 – HENRIQUE LOTT
19 – FRANCISCO BRANDÃO
20 – ELIANE BETTOCCHI
21 – PAULO ALVAREZ
22 – RONALDO COURI
23 – NICKOLAS GARCIA
24 – KÁTIA LOPES
25 – FERNANDA TOLEDO
26 – NINA MELLO
27 – MAGA BASTOS
28 – RENATO ABUD
29 – ISA ARCURI
30 – JORGE ARBACH
31 – ARLINDO DAIBERT (1952 – 1993)
32 – GERSON GUEDES
33 – JOSÉ ALBERTO PINHO NEVES
34 – FREDERICO MERIJ
35 – CARLOS BRACHER
36 – TITO JUNIOR
37 – ELIARDO FRANÇA
38 – PETRILLO
39 – CÉSAR BRANDÃO
40 – FREDERICO GEISSLER
41 – VINÍCIUS CHAGAS
42 – RAFAEL DANTAS
43 – GOBINDE RAI – MATHEUS DE SIMONE
44 – ALICE RODRIGUES
45 – JULIA VITRAL
46 – VALÉRIA FARIA
47 – JOBER B. COSTA
48 – RICARDO CRISTOFARO
49 – ADAUTO VENTURI
50 – TALARICO
51 – CARLOS MENDONÇA
52 – WASHINGTON DA SILVA – HIMAT SEVAK SINGH

Versão em amarelo do trabalho Cores Vivas

Kit Incorporais

A primeira versão do Kit Incorporais foi uma proposta de organização e materialização do Projeto Incorporais, composta de hiperlivros impressos em gráficas rápidas sob demanda e encadernados com colchetes, DVDs com entrevistas, CDs com os arquivos para impressão e acesso à plataforma Moodle, para ser distribuído aos participantes das oficinas bem como em bibliotecas escolares, de modo a facilitar o entendimento e a autonomia na aplicação. Esta proposta foi desenvolvida como projeto de pesquisa financiando pela FAPERJ entre 2009 e 2010 (http://www.historias.interativas.nom.br/artigos/faperj2010.pdf). Veja aqui o projeto gráfico.


Assim como o processo de criação dos participantes nas oficinas, também o processo de criação dos hipersuportes do Kit e de suas imagens-link (ACRÓSTICOS CAPITULARES) é realizado via Projeto Poético.
Os hiperlivros são os sítios portáteis que materializam a plataforma em suporte impresso, trazendo-a para a intimidade dos participantes e convidando-os a nela inserirem suas próprias criações: o Livro do Mestre e dois livros de RPG, cada qual com um cenário de cunho transversal. Nestes hiperlivros, o projeto gráfico busca a evidenciar a transversalidade de um tema, de modo que os elementos verbais e imagéticos apontem para além, instigando o leitor a produzir não sobre o, mas a partir do texto. Seguindo a idéia do Livre de Mallarmé (FARIA, 1995), o projeto gráfico permite registrar notas, inserir material e alterar a ordem das páginas, uma vez que o conteúdo é arranjado em blocos, diagramados com espaços vazios.

Atualemente, estes hiperlivros são impressos em gráficas rápidas sob demanda, montados sob a forma de cadernos ou diários contendo encartes que guardam semelhanças com livretos de cordel, encadernados com grampos comuns, seja por mim, seja pelos próprios interatores, via arquivos PDF preparados para isso. Além disso, contém baralhos diversos e tabuleiros.

Veja aqui como montar os encartes.

Todos os hiperlivros são web-enhanced, sendo necessário navegar nesses hipersítios (sites, blogs, redes sociais) para que a fruição se complete. Ao acessar o website que complementa o hiperlivro, o leitor emerge no sítio virtual da plataforma, o suporte digital onde pode publicar suas intervenções, as quais podem vir a ser incorporadas a futuras edições do hiperlivro. O material digital se constitui de blogs para cada cenário. Os hiperlivros podem ser baixados no sítio virtual, para uso privado, ou recebidos gratuitamente nas oficinas, anunciadas no sítio virtual, que estão vinculadas à instalação de um hiperobjeto ou à construção de um hiperambiente.
Os hiperobjetos são feitos em suporte plástico e os hiperambientes são os hipersítios presenciais: ambos requerem a presença física dos participantes. A última expansão do kit encontra-se disponível como Relatório de Pesquisa do projeto HIPERAMBIENTE desenvolvido no IAD-UFJF entre 2011 e 2012.
O projeto pode ser aplicado tanto como oficinas isoladas quanto como método em disciplinas, para diversos níveis de aprendizagem, excetuando-se, talvez, com crianças muito pequenas, pois requer competências medianas de letramento e de socialização.

FARIA, Zênia de. Mallarmé e o universo da leitura. Tese de Doutorado do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, Universidade de São Paulo, 1995.

Hipertotem

As artes dizem seus autores que são emulações da natureza; e dizem pouco, porque a experiência mostra que também lhes acrescentam perfeições. […]. E não só sobre as coisas boas têm as artes jurisdição, para melhorar mais do que a natureza; mas também sobre as más e nocivas, para as diminuir em proveito de quem as exercita, ou para as acrescentar em dano de outrem […].
[…] E tal é a arte de furtar, que toda se ocupa em despir uns para vestir outros. […]
. Arte de Furtar, anônimo do século XVII.

Este hiperobjeto está em fase de idéia. Já estão prontos os arquivos dos cartões postais para impressão.

Os links deste hiperobjeto são cartões postais, ou midia cards, da empresa MiCA, cuja imagem ilustrativa tem por objetivos:

1. Sedução: capturar, por meio da familiaridade do clichê, o olhar do espectador leigo, do mesmo modo como uma imagem publicitária busca seduzir o consumidor a consumir.

2. Inversão: algo está sendo anunciado, mas, apesar da presença de objetos, não se trata de anunciar um objeto de consumo e sim de anunciar o próprio ato de produzir – “Não estou sendo seduzido a consumir, mas sim a parar, pensar e produzir.”

3. Fetichização positiva: cria-se, assim, um desejo ativo de produzir objetos em lugar de um desejo passivo de possuir objetos.

Esta imagem, aliada ao texto do verso, busca seduzir o espectador a levar consigo o cartão e a acessar o endereço do website.

Os cartões postais são arquivos digitais concebidos e executados por mim a serem impressos pela empresa MiCA em cores, frente e verso, em papel supremo 300g/m2, no tamanho final de 10,5 X 15 cm. Serão distribuídos entre os pontos de exposição da empresa, como o display mostrado acima.

No website, os visitantes poderão se inscrever num hiperambiente a ser construído por eles mesmos, a partir de material por eles trazido durante a vivência numa oficina ministrada por mim, que poderá acontecer em qualquer lugar disponível e a combinar.

O material produzido pelos participantes será incorporado ao website e ao hiperlivro, bem como será parte dos Hipertotens, os hiperobjetos instalados em espaços de difusão artística e cultural.

A estrutura do hipertotem será composta de MDF ou madeira dourada (160 X 40 cm), com espelhos e porta-retratos de resina de um lado e prateleiras do outro.



Mitografia

Livro-objeto/ Object-book

Desenho digital impresso a laser sobre papel, jeans e acetato espelhado. 42 X 59,4 cm fechado; 84 x 59,4 cm aberto./ Mythography. Digital drawing, laser print on paper, jeans and mirror-acetate. 42 X 59,4 cm closed; 84 x 59,4 cm opened. 2007. Pode fazer parte do hiperambiente HIPERCASA.


INdigo
INdice
1. Eu: mito primordial
2. Mito: narrativa em torno da qual giram as outras
3. Narrativa: jogo de simultaneidade temporal
4. Jogo: tensão reflexiva entre o Outro e Eu

Clique nas imagens para ver os detalhes./Click on the images to see details.



Exposto em: http://www.tribunademinas.com.br/cultura/tinta-fresca-1.1466100

expoguacui2014

Performance em Quadrinhos

A partir de ORLAN | Striptease incidental, 1974-75 | www.orlan.net/works/performance/

O fio que puxei da performance de ORLAN é o fio do corpo como signo.
Com este fio, desejo costurar uma narrativa visual cronologicamente inversa e circular que se inicia no Êxtase de Santa Teresa, de Gian Lorenzo Bernini – o corpo moderno, retroage ao Nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli – o corpo clássico, e se fecha numa figura de poder feminina iorubá, resgatando um corpo anterior ao modelo ocidental que ora se mostra como opção de corpo contemporâneo.
Para dar suporte a esta narrativa, fiz um registro em video dos movimentos corporais com o tecido, do qual selecionei alguns quadros, a partir dos quais fiz desenhos digitais para construir uma página de história em quadrinhos, que complementa o registro fotográfico da performance de ORLAN à maneira de um díptico.

Este trabalho foi apresentado no I FAC: Reperformance [http://festivaldeartesdocorpo.blogspot.com.br/], na Casa de Cultura, Juiz de Fora, MG, nos dias 15 e 16 de dezembro de 2012.

Hipermito

Hiperobjeto já materializado, que foi exposto em formato preliminar na coletiva Zona Oculta 2009 e no Arte Araka de 21 de outubro de 2008.

Exposição Atualidades na Pesquisa em Artes, do XVII Seminário de Iniciação Científica da UFJF (19 a 21 de outubro de 2011)

LEVE UMA!

Cartas: Desenhos digitais impressos a laser sobre papel. 14 X 9,5 cm.
hiperobjeto

As imagens-link deste hiperobjeto são as CARTAS MARCADAS, que buscam instigar o/a espectador/a a procurar seus significados, acessando um endereço de website. Elas ficam disponíveis nos espaços laterais centrais do hiperobjeto e devem ser levadas pelos espectadores. Na lateral da carta está escrito: “Veja o significado da carta em www.historias.interativas.nom.br/incorporais/cartasmarcadasq”

Objeto: assemblage em espelho-porta-retrato em MDF e papelão. 53 X 48 cm.
hiperlivro

O objeto deve ser instalado perto de portas ou entradas que delimitem a passagem de uma ambiente “mundano” para um ambiente “artístico”. Por exemplo, na entrada de uma galeria, na porta de uma sala de um centro cultural, numa ante-sala, num hall de entrada. Pode ser pendurado num prego ou parafuso na parede ou ficar sobre um cavalete branco, de modo que o espelho central fique numa altura média do rosto das pessoas. Também pode compor o hiperambiente HIPERCASA.

 

Hipercasa

Projeto de hiperambiente em processo de materialização, cuja imersão e interação prevê o seguinte percurso:
entrada = escolha > estar = leitura > criação > registro > oficina = vivência > registro > produto > incorporação

Nicho Hall:

Dentro do hiperambiente, o hiperobjeto HIPERMITO faz parte do nicho de “entrada”. Deve ser instalado sobre a plotagem em vinil (100 x 260 cm, ao lado) que simula um hall ou antessala típicos das casas e apartamentos burgueses contemporâneos, com um espelho e um aparador.
Os espectadores entram por este ambiente e escolhem uma CARTA MARCADA.
Se quiserem continuar, seguem para o nicho Living. Se não, podem levar a carta e continuar o jogo no site, postando lá seu percurso e sua produção.

Nicho Living:


MULTIMITO | 2004-2009 | 70 X 50 cm | Desenho digital plotado em adesivo transparente montado em espelho e madeira.

Este nicho é a sala de estar do hiperambiente. A imagem-link Multimito é instalada sobre a plotagem em vinil (150 x 260 cm, ao lado), que simula uma sala de estar ou living.
À sua frente, são dispostos uma mesa de centro e pufes redondos brancos para que os participantes possam se sentar e manusear o livro sobre a mesa.
As placas de sinalização dizem:
A carta te trouxe aqui; veja o significado dela no livro sobre a mesa de centro
O/a participante pode ler o conteúdo e criar sua personagem no próprio ambiente, deixando-a registrada nas planilhas disponíveis no livro, para que sejam posteriormente incorporadas ao site e ao HIPERLIVRO.
Se quiser continuar, deve levar sua planilha e seguir para o nicho Home-office.

Nicho Home-office:

Este nicho é o escritório ou oficina domésticos. É composto de uma mesa retangular e seis bancos de plástico branco – ou mesa e assentos que já existam no espaço físico – com diversos materiais artísticos e de escrita e do livro objeto MITOGRAFIA instalado sobre um scrpitorium (misto de prancheta, escrivaninha e missal) de MDF branco.
Neste nicho, os interatores são convidados a participar da oficina lúdica, durante a qual vão vivenciar uma narrativa interativa, utilizando a personagem criada no nicho anterior, registar as etapas vivenciadas e produzir imagens e objetos a partir dos resultados dos jogos, os quais serão incorporados ao próprio hiperambiente, ao website e ao hiperlivro Cartas Marcadas.
Essa oficina pode ser conduzida por mim ou por monitores.

Justamente por ser itinerante, o hiperambiente pode ser construído em qualquer espaço físico e pode aplicado como método didático de um curso, oficina ou disciplina. Veja a sistematização desta aplicação no PDF HIPERAMBIENTE.

 

Cartas Marcadas

Imagens-Link/Link-Images

Desenho digital, 2008. Digital Darwing, 2008.

Clique na Dama de Paus para ver a concepção da imagem.


Imagens-link para diferentes suportes sobre gênero e sexualidade que buscam:

1. Sedução: capturar, por meio da familiaridade do estereótipo, o olhar do espectador leigo, do mesmo modo como uma imagem nos oráculos, na literatura de auto-ajuda e nos testes psicológicos busca seduzir o leitor a se identificar com um modelo de comportamento.

2. Inversão: algo está sendo imposto, mas, apesar da presença destes modelos, não se trata de impor um modelo, mas sim de propor o próprio ato de rebeldia – “Não estou sendo seduzido a me identificar, mas sim a parar, questionar e produzir.”

3. Fetichização positiva: cria-se, assim, um desejo ativo de questionar comportamentos pré-estabelecidos e de produzir novas possibilidades narrativas e comportamentais em lugar de um desejo passivo de se identificar com estereótipos.

Estas imagens-links fazem parte do encarte Cartas Marcadas (HIPERLIVRO Era da Escolha), do hiperobjeto HIPERMITO e do hipermabiente HIPERCASA.

Acrósticos capitulares

Imagens-link que formam acrósticos narrativos, inicialmente criados com as palavras LEITURA e LITERATURA. Cada capitular inicia uma palavra que caracteriza as palavras maiores, e inicia também um evento narrativo baseado na estrutura dos contos de magia proposta pelo linguista russo Vladimir Propp. Cada evento, assim como a iluminura de cada capitular, é associado a uma peça de xadrez.


Essas imagens-link são desenhos digitais podem ser veiculados em diferentes suportes e em quaisquer dos três sítios do design poético. Minha idéia é continuar o jogo, construindo mais palavras, aproveitando as capitulares que já existem e acrescentando novas, com novos eventos narrativos, como se fossem novos movimentos das peças-personagens.

Na contramão da superficialidade e da megalomania das mídias contemporâneas, projetei essas ilustrações pensando em afetividade, intimidade, introspecção, em resgatar a ousadia e o prazer de fantasiar e de aprender.

LEITURA

Acróstico usado no Manual de Reflexões sobre Boas Práticas de Leitura (Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio e Ministério da Educação, 2010)

>> Relatório do Projeto Gráfico

LITERATURA
Acróstico usado no hiperlivro Livro do Mestre, do KIT INCORPORAIS (Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio e Faperj, 2011)


Pensamento preto em cubo branco

Esse é um projeto pronto, ainda não apresentado.
Trata-se de uma performance em que entro numa galeria de arte vestindo roupa e véu de crepe indiano bege e fitas marrons, ajoelho, deposito no chão uma gamela de barro com cartões e saio.
Os cartões são simplificações de cartões de crédito feitos de papel e impressão a laser mostrando só as formas geométricas das bandeiras Visa e Mastercard, misturados a alguns cartões de crédito reais sem validade.
Importante dizer que as medidas oficiais dos cartões de crédito (85.60 × 53.98 mm) são proporções áureas clássicas e que o conceito de cubo branco surge como uma crítica de Brian O’Doherty’s à idéia modernista de que o espaço de arte tem que ser um espaço “neutro”.
Escolhi performance como suporte para uma imagem-link, ou seja, uma forma heterodoxa de materializar uma ilustração.