Reino de Valencia

O primeiro reino humano preza muito suas tradições. Grande potência no passado, Valência tenta reverter um processo de decadência que já dura 100 anos. A diplomacia tem sido a estratégia mais usada porque sua força militar e econômica não são mais o que eram, mas Valência ainda conta com a força de sua História junto aos outros reinos e certo peso comercial. O rei de Valência busca se equilibrar entre os nobres e as guildas comerciais. A corrupção é um problema recorrente do Reino, mas o povo ainda é leal ao trono. Seus principais valores são tradição, ordem, família, determinação e alegria.




Referências para o Reino de Valencia em PDF


Valência é o mais antigo reino humano, fundado pelo próprio Augur, quando ainda era mortal, há mais de 4.000 anos. Nestes séculos, passou por altos e baixos e diferentes dinastias. A atual casa real, de Aviz, está no trono desde 3.778 e vem enfrentando decadência política, militar e econômica há mais de 150 anos, tendo tido que aceitar a independência de Astela em 3.850 e cedendo parte dos seus territórios à Góia.

Entre os anos 3999 e 4000 a antiga província valenciana de Victória se une à Bertachia em guerra contra Góia e consegue sua independência formando o principado de Victória e o ducado de Bertachia (originalmente um conjunto de feudos dados à mercenários pela Monarquia Góia em pagamento por seu trabalho, eles foram unificados pela mercenária Tiana, por meio da Cia de Mercenários que ela fundou: a Caveira Negra. Tiana se aliou a Landaus, senhor de Victória).

Ano 4000: Cerca de 14.500 elfos da Terra Antiga chegam à Terra Nova e fazem uma aliança com o Império para unificar os reinos humanos sob a égide imperial e os élficos sob o comando deles. Os reis são Thorandor e Conchobar. Início de uma série de pequenos conflitos entre o Império e os reinos do sul com uma “guerra fria”.

No ano 4001 um naufrágio vitima a família real de Valência e o jovem príncipe Alfonso sobe ao trono com apenas 17 anos. Seu primo, Ednardo, de 19 anos, torna-se duque.

Alfonso inicia um grande esforço de moralização do governo cortando gastos desnecessários, iniciando um programa de distribuição de pães de milho diariamente e sopa semanalmente para o povo, o “Cesta-Alimento”. As Casas de Saúde dos templos passam a receber verba pública para atender a saúde da população mais pobre. O soldo dos guardas é aumentado e se busca mais justiça nos tribunais. Ele é popular, mas considerado muito “bonzinho” para o cargo de rei, enquanto Ednardo, ao assumir o controle da guarda de Valência, é visto como mais firme.

No ano 4003 o reino de Astela é conquistado por Tiana de Bertachia que assume o controle do Canal de Sarina e eleva Bertáchia a Reino. Meses depois, ela se casa com o jovem rei Alfonso de 19 anos. O casamento é contestado pela nobreza por Tiana ter 36 anos e não ser nobre de nascença. Duas revoltas são então esmagadas. Valência passa a ser administrada com mão de ferro por Tiana, com apoio de Alfonso e Ednardo, com cargos públicos sendo preenchidos por concurso e crimes sendo punidos vigorosamente. As finanças públicas são controladas por empréstimos de Bertachia e a frota é reequipada. Inauguram-se escolas públicas. Há vários boatos sobre a infidelidade de Tiana.

4004: Tiana dá a luz à uma menina cujo sangue real é comprovado pelo Templo do Sol, mas, pelas leis do reino, por ser mulher não tem preferência na sucessão real.

4005: o rei Alfonso desaparece com seu navio em viagem no mar. Após alguns meses, o trono é considerado vago.

4006: unificação de pesos e medidas para produtos líquidos e sólidos, distâncias, moeda e afins nos Reinos de Valência, Astela, Bertáquia, cidades estado de Draco e Marina, bem como na cidade do Canal, pelo sistema universal da Caveira Negra.

4007: unificados os pesos das moedas de cobre. de Bertachia, Valência, Astela, cidades estado de Draco e Marina, bem como na cidade do Canal e a cidade-estado de Lutécia que passam a ser cunhadas em Bertáquia, aumentando a dependência econômica de Valência de Bertachia.

4008: Formação do Eixo Sul para a guerra contra o Império no norte. Tiana abdica do trono de Valência para Ednardo que se torna rei e as casa com a Duquesa Aliena de Alistae. Tiana se casa com o príncipe elfo Elcmar, herdeiro dos elfos da Terra Antiga que se opõe ao seu pai e pretende tomar o trono.

Guerra com o Império com a vitória do Eixo Sul. Valência demora a enviar tropas porque Ednardo pretendia que Tiana, Elcmar e Diveine (rainha de Alistae) esgotassem suas forças em longos conflitos com o Império após os quais ele surgiria como o grande salvador. O plano deu errado porque o Império caiu bem mais rapidamente do que o esperado. Valência chegou tarde e recebeu como recompensa as províncias do Império que foram mais devastadas pela guerra.

Valência está com uma situação econômica difícil, pois seus recursos minerais estão exauridos após milênios de exploração, as terras já estão no máximo que podem ser cultivadas, sua frota mercante enfrenta a concorrência da República Arezza e dos elfos navegantes, e o reino deve uma fortuna à Bertachia. Por isso, Ednardo foi forçado a flexibilizar algumas das reformas de Tiana para agradar a nobreza, mantendo as Casas de Saúde e o “Cesta Alimento”, cortando a verba para as escolas públicas.

O Reino precisa de novas fontes de renda com urgência e uma “água milagrosa” viria bem a calhar. No mínimo estudar a fonte viva poderia melhorar a qualidade da água disponível para consumo em Ervantes.